PROJETO NOVOS OLHARES NOV/2020 13/15

Sete chaves para requalificação urbana da Av. Heitor Beltrão

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo / UFRJ – Rio de Janeiro/RJ

Além da requalificação de um lugar invisibilizado da cidade, o projeto busca estratégias de viabilidade em um contexto nacional econômico adverso. Assim algumas estratégias de abordagem ao setor público e privado foram lançadas junto a um projeto que utiliza estratégias de urbanização conceituadas.

Imagem colagem representando o impacto da obra metroviária da década de 1980 sob a avenida Heitor Beltrão no bairro da Tijuca no Rio de Janeiro, gerando vários terrenos obsoletos denominados de Terraiin Vague (Ignasi de Solà-Morales), criando assim um processo de desertificação do solo urbano.

O questionamento dos impactos de vazios causados pela estrutura metroviária do Rio de Janeiro levou este projeto à criação de um sistema de edificações e espaços públicos que reative a dinâmica urbana na Av. Heitor Beltrão, um dos recortes mais afetados pela construção da linha 01 do metrô na década de 1980. A passagem do metrô sob a via resultou em uma abrupta fragmentação da malha urbana em um trecho de aproximadamente 1 km de extensão, desconfigurando a morfologia das quadras compostas pelas vias perpendiculares à avenida.

Perspectiva explodida mostrando todas as áreas de atuação propostas no projeto. De cima para baixo: edifícios chave, normas legais específicas para atuação do mercado imobiliário, reestruturação das vias, revitalização do rio Trapicheiros, paisagismo e arborização e formulação de praças.

São tomadas duas estratégias de planejamento urbano categorizadas por Joan Busquets em seu livro City X Lines(2006). A primeira denominada edifício chave (building key), tem por base a construção de um edifício contemporâneo de ordem icônica, implantado sob uma área degradada da cidade, funcionando como um catalisador, aumentando o fluxo de pessoas e incentivando implantação de projetos infraestruturais públicas e/ou privada, além dos próprios investimentos posteriores de iniciativa privada. O segundo chamado de solo multiplicado (miltiplied ground) tem por estratégia a criação de sobreposições de camadas de solo, dinamizando a vida urbana não apenas em um térreo, mas em uma sobreposição de usos coletivos, privados, habitacionais, institucionais entre outros.

Corte longitudinal por toda Avenida Heitor Beltrão, mostrando a estratégia de multiplicação do solo (miltiplied ground). O diagrama na parte inferior mostra os pontos de intervenção na cor laranja.

 

A imagem mostra dois dos edifícios chave (02 e 03) e sua relação com o solo multiplicado. Quatro dos edifícios chave também cumpre sua função social de habitação como é o caso do edifício chave 03 representado na imagem.

 

Imagem 3D mostra o edifício chave 03 em segundo plano. A direita fica clara a aplicação do solo multiplicado com a praça em nível inferior a rua, e a quadra esportiva em nível superior. A esquerda o passeio foi alargado, e implementada uma ciclovia.

Autor:

Leandro Garcez Sacilotto

Orientação:

Adriana Sansão

Share Button