PROJETO NOVOS OLHARES NOV/2020 1/15

A porteira do Brás, o Caminho do Rio: proposta de desenho urbano para a Avenida Celso Garcia, Zona Leste de São Paulo

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

O trabalho é um resultado em forma de desenho de diversas questões presentes no desenvolvimento urbano atual, como adensamento populacional, proteção do patrimônio histórico, criação de mais áreas verdes e de lazer públicas e mobilidade.

Antes: Largo da Concórdia separado da estação Brás pela Av. Celso Garcia. Pedestres enfrentam cruzamentos em ruas movimentadas para terem acesso às ruas comerciais. Depois: Ampliação do Largo conectando a parte comercial à Av. Celso Garcia e também à estação de Trem e Metrô

Este trabalho tem como finalidade expor maneiras de enfrentar, por meio do desenho, a problemática encontrada em grandes cidades mundiais: o processo de degradação urbana e ambiental de regiões centrais industrializadas e consolidadas e, consecutivamente, suas tentativas de requalificação.
A região da Avenida Celso Garcia, objeto do trabalho, apresenta inúmeras tensões sócio-ambientais e patrimoniais, as quais não devem ser vistas como problemas ou barreiras ao desenvolvimento sustentável da cidade, mas sim, seu fator potencializador.

Detalhe Largo da Concórdia: o principal fluxo de pedestres, entre a Estação do Brás e o bairro, será realizado por baixo do viaduto da Av. Celso Garcia, acabando com a necessidade de se aguardar os semáforos das travessias de pedestre existentes atualmente.

Apoiado nesses fatores, o principal conceito do projeto é o diálogo entre essas diferentes tensões, em uma localização que as possui de forma clara e conturbada. O adensamento populacional dessa região é o fio condutor, pois trata-se de uma região central da cidade, de fácil acesso e ampla ofertas de serviços. Para esse adensamento populacional ser interessante à região, o projeto teve que estar em consonância com as atividades realizadas (alto fluxo de pessoas e comercio popular), a situação atual das moradias no local (cortiços e novos empreendimentos de classe média), o respeito à paisagem atual, a implementação de novos espaços livres públicos e a implementação de novas formas de se locomover, com a implantação de um sistema de VLT.

Praça Interna: os espaços livres públicos saem das beiradas da quadra e tomam um papel articulador do tecido urbano, trazendo o fluxo de pessoas para dentro do quarteirão. Além disso, a integração dos edifícios existentes (linhas brancas) com os novos (linhas rosas) é um dos partidos do projeto.

 

Rua Compartilhada: as ruas de comércio popular próximas à Av. Celso Garcia possuem calçadas estreitas e um fluxo grande de pedestres, assim como o comércio ambulante. Assim, as ruas compartilhadas são uma alternativa, permitindo um fluxo mais disperso e a implementação da arborização das ruas.

 

Vista Geral: indo do Parque Dom Pedro (região do Brás), até o Parque do Belém (no bairro homônimo) a Avenida Celso Garcia se transformaria em um eixo de alta densidade populacional, além de criar um sistema de espaços livres entre os dois parques, junto de um transporte público de massa (VLT)

Autor:

Bruno Laginhas Boriola

Orientação:

Eugênio Fernandes Queiroga

Share Button